Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas da Tia Moana

desde o século XX a ter uma opinião sobre tudo

Crónicas da Tia Moana

desde o século XX a ter uma opinião sobre tudo

Ser gay tudo bem. Bicha é que não!

Oi Oi Oi meus meninos e meninas. Vamos falar de um tema muito pedido: comunidade LGBTQ(IA+).

Eu sei que é uma sigla grande, e eu sei que existe gente leiga nisto (como eu o sou, e só aprendo se buscar conhecimento de causa). No entanto, as pessoas que não quiserem saber mais parem a leitura por aqui, sabendo que existe apenas um conceito que devem ter em conta: RESPEITO para com toda a gente.

gloria.jpg

O termo GLS, remete-nos ao ano de 2000 onde havia apenas neste movimento a inserção de gays, lésbicas e simpatizantes. A evolução deu-se e passamos para o LGBTQ(IA+).Vamos então começar pela definição de cada letrinha:

L-G-B: lésbicas, gays e bissexuais. Acho que, com estes três termos, todos nós estamos familiarizados.

T: Transgéneros. É um indivíduo cuja identidade de gênero não corresponde ao seu sexo biológico.

Q: Queer (falamos deste no fim, pois é o rei da pista)

I: Intersexual. Indivíduo com uma variação de caracteres sexuais (seja a nível de cromossomas, gónadas ou de órgãos genitais). São os casos cuja identificação como sendo feminino ou masculino é dificultada. Intersexualidade enquanto transgeneridade é uma condição sexual, não orientação.

A: Assexualidade. Indívíduos que não sentem atração sexual por nenhum género.

Queer, é tudo aquilo que não é imposto pela sociedade; é uma desconstrução. É uma ampliação do LGBT, é o indivíduo não binário. É aquele indivíduo que não sabemos se é mulher, se é homem, se é travesti, gay ou o que seja… Sabem aquele camião que passa, ouve-se uma buzina e de seguida alguém solta um “êêh, bichona "? É esse. Queer é o “bicha”, digamos.

Acho que todos nós em certa parte da nossa vida ouvimos “tudo bem ser gay, agora bicha/matrafona é que não”. É esse mesmo, e deixem-me contar-vos um segredo: ‘tá tudo bem em ser bicha; ele é completamente digno de todo o respeito, é humano, e pode ser a PORRA QUE ELE QUISER. Tudo aquilo que nos ensinaram que “só ser bicha é que é feio”, está errado. Feio é não sabermos meter-nos na nossa vida e opinar sobre quem não nos diz respeito, sem conhecimento de causa. Este é o ser humano incrível que decidiu ir contra tudo e não ser obrigado a seguir as "normas" aceites pela sociedade (Pablo Vittar, Gloria Groove, Conchita...).

Ele tem justamente os mesmos direitos que tu. O/a bicha/matrafona sempre foi pejorativo, a meu ver, mas hoje digo-o com o mesmo amor que digo hétero, e isso é uma desconstrução que a sociedade precisa de ter. É urgente tornar as palavras pesadas em termos mais leves, com menos ódio e fazer entender que num mundo com mais de 7 biliões de pessoas é NORMAL existir diversidade muito além do tom de pele e cor de cabelo.

Eu não quero com isto incitar a chamar alguém de bicha, mas a mim também ninguém me diz “olha, sabes aquela moça? É héterozaça”. Não é sequer obrigatório gostar de gays, lésbicas, heterossexuais… A única coisa obrigatória é o respeito mútuo e a compreensão. É saber que dentro desse termo está um humano, com batalhas interiores que se calhar, nem eu nem tu aguentávamos.

Antes de sermos desagradáveis, que tal conhecer a essência da pessoa, conectarmo-nos a alguém que está por detrás desse queer, e se tivermos dúvidas porque não sabemos se é “ele” ou “ela”, podemos sempre questionar “Como preferes que te trate?”- isto é amor, respeito e é lindo. É neste mundo que creio que podemos ter as siglas (GLS, LGBT, LGBTIQ…) trocadas pelo H, de Humano!

 

Como hoje é dia de amor, a Tia Moana espalha amor em todas as direções.

Beijooooos, meus Valentinos 

17 comentários

Comentar post